quarta-feira, 22 de março de 2017

Forró na Granja em Igarassu


Abrindo a temporada junina, no dia 08 de abril a Banda Fredy e Mary grava seu terceiro DVD na primeira edição do Forró na Granja Miramar na zona Rural de Igarassu com as participações especiais de Novinho da Paraíba, Almir Rouche e Beto Hortis.
Uma mega estrutura está sendo preparada para receber o público, com segurança e estacionamento privado para 500 carros. Segundo os organizadores da festa, o público vai poder sentir o gostinho de estar em uma casa de interior ao som de muito forró.
Os ingressos já estão sendo vendidos ao custo de R$20 (Homem) e R$10 (Mulher), Mesas para quatro pessoas: R$80. Além disso, a granja vai oferecer quartos para o público que quiser ficar hospedado até domingo com muita comodidade, que podem ser adquiridos exclusivamente pelo fone: (81) 99743-2743.
A abertura fica com o Forró Xinelo Rasgado a partir das 21h e o encerramento com a Banda Galopeiros do Forró. Apresentação: Evandir Pedrosa, do Programa Forró na Nova é de Torar da Rádio Nova FM.
SERVIÇO:
Forró na Granja
Quando: Sábado, 08 de Abril a partir das 21h.
Onde: Granja Miramar – Zona Rural de Igarassu, 60 (Por trás da Ondunorte, BR 101 Norte).
Ingressos: R$20 (Homem) / R$10 (Mulher) / Mesa para quatro pessoas: R$80.
Informações e Reservas: (81) 9.8524-2193 / 9.9743-2743 / 9.9973-0012.
Pontos de Venda:
* Confraria do Açaí - Av. Severino Tavares Uchôa, nº 17 - Igarassu
* Supermercado Varejão - Rua Vasco da Gama, nº 662 - Recife

terça-feira, 21 de março de 2017

Grupo Arteiros traz para às ruas o “Samba Nosso de Cada Dia”

O grupo Arteiros dá a agilidade do teatro de rua para o texto “O samba Nosso de Cada Dia”,  escrito por Elmar Castelo Branco, na década de 70, para palcos teatrais. São dez apresentações pelo Estado com incentivo do FUNCULTURA,  FUNDARPE, Secretaria de Cultura e Governo do Estado de Pernambuco.  “O Samba Nosso de Cada Dia”  conta e canta o dia a dia de um grupo de sambistas, suas dificuldades para colocar a escola de samba nas ruas em um impecável  desfile e traz, ao final de cada apresentação, roda de diálogo para discussão sobre a importância da cultura popular.

Samba Nosso de Cada Dia relata as dificuldades enfrentadas pelos integrantes da “Escola de Samba Azul e Branco” na compra de tecidos para confecções das fantasias. A trama não trata apenas dos personagens ligados ao universo carnavalesco, traz críticas sobre corrupção e instiga a  reflexão sobre a cultura popular. No espetáculo, que tem direção coletiva, estão cinco personagens.  O grupo Arteiros já tem bastante experiência em teatro de rua e criação coletiva de seus espetáculos. O que muda nesse projeto é que eles trabalham com adaptação de um texto que não foi escrito pelo grupo. A trilha sonora é composta por sambas já bem conhecidos do público, além de algumas músicas compostas para essa montagem. “O Samba Nosso” faz dez   apresentações e conta com a participação de grupos artísticos ligados aos locais  onde acontecem os espetáculos. No Morro da Conceição, por exemplo, Galeria do Ritmo, escola de samba que serviu de inspiração para o autor do texto, marca presença. Após o espetáculo debate sobre o fazer teatral  despertando a consciência crítica sobre a importância das manifestações culturais e do teatro de rua. No elenco: Charles Medeiros, Roberta Lúcia, Ivo Rodrigues, Wagner Matias, Lucas José. Músicos: Celso José e Walgrene Agra, contra-regra Luiz Gustavo, figurinos e adereços do Grupo Arteiros, fotografia de Manoel Correa e Assessoria de Imprensa, Patrícia Breda.

O Samba Nosso de Cada Dia faz estreia no  Alto Da Sé, Olinda, e segue com apresentações na Ilha do Maruim; Buenos Aires;  ,Alto da Bondade;  São Lourenço Na Ilha De Deus;  Morro Da Conceição;  Caetés;  Muribeca ; encerrando temporada dia 08 de abril em  Nazaré da Mata.
 
O Grupo Arteiros faz parte da Associação de Teatro de Olinda e do Movimento de Teatro Popular de Pernambuco. Samba Nosso de Cada Dia é realização da Associação de Teatro de Olinda -ATO com incentivo do FUNCULTURA,  FUNDARPE, SECULT E GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO .

Sobre ao autor
Elmar Castelo Branco, Dramaturgo, ator, diretor, cenógrafo, maquiador, iluminador, figurinista, falecido recentemente  não teve a oportunidade de ver nas ruas o texto que primeiramente foi montado em teatro pelo TUCAP, teatro da Universidade Católica de Pernambuco, grupo que dirigiu durante os anos de 1992 a 1997. No mês de fevereiro, desse ano, Elmar faleceu após parada cardíaca.

TEATRO DE RUA
A origem do teatro de rua confunde-se com a própria história do homem, tendo como fonte primitiva os rituais tribais, onde o homem procurava dramatizar as experiências cotidianas. Outras fontes do teatro de rua podem ser consideradas, os ditirambos gregos, o culto ao deus Dionísio e os espectáculos religiosos da idade média, na Europa. A partir desse momento e mais adiante, com a Comédia Dell’Arte, o teatro livre de rua, passaram a ocupar as praças e feiras das cidades e lugarejos, levando ao povo sua mais antiga forma de expressão. Fonte: piacrl.com

CONTATOS: Celso José: 9 9780 9577
                      Patrícia Breda: 9 9726 8210.

Entrevista Especial

Caju e Castanha é uma dupla de Intérpretes de Embola e Forró Pé de Serra, formada originalmente por irmãos naturais de Recife, Estado de Pernambuco.

Carreira
Os irmãos José Albertino da Silva (Caju) e José Roberto da Silva (Castanha) ainda na infância se apresentavam em feiras e praças de Pernambuco em Jaboatão dos Guararapes, tocando pandeiros feitos com lata de marmelada. O nome da dupla foi dado por um prefeito de Jaboatão, chamado Severino Claudino.
A partir de 1978 por meio da participação de um documentário da cineasta Tânia Quaresma, surge o seu primeiro disco com participações especiais de Zé Ramalho e Elba Ramalho.
No começo da década de 1980, os irmãos mudaram-se para São Paulo, onde inicialmente se apresentavam em ônibus, participando do movimento de arte urbana da cidade.
Caju e Castanha foram retratados em filmes como Style Wars, além de inúmeras aparições na televisão, rádio, livros e reportagens.
Na década de 1980, foram convidados a se apresentarem no programa "Som Brasil", onde permaneceram apresentando por cinco anos, ao lado de Rolando Boldrin e do ator, Lima Duarte. Em 1981 gravaram o seu segundo disco, "Embolando na Embolada". No ano de 1993, a dupla passou a ser conhecida nacionalmente através da embolada "Ladrão Besta e o Ladrão Sabido". Em 1997, a história da dupla foi contada no documentário Som da Rua - Caju e Castanha, uma co-produção da TVE Brasil.
Em 2001,  José Albertino da Silva faleceu, devido a um câncer no cérebro. Seu último show havia ocorrido em 1999, na edição do Festival Abril Pro Rock. Em seu lugar, entrou o sobrinho de José Roberto da Silva (Castanha), Ricardo Alves da Silva.
No ano de 2002, a dupla estrelou o curta-metragem "A Saga dos Guerreiros Caju e Castanha Contra o Encouraçado Titanic", dirigido por Walter Salles, que integrou o longa-metragem "Chacun son cinéma", no qual 35 diretores comemoram os 60 anos do Festival de Cannes.
Em 2014, a dupla fez uma participação, cantando, na minissérie da Rede Globo, Amores Roubados. No mesmo ano, o álbum "Meu Deus Que País É Esse!" foi indicado ao Grammy Latino de Melhor Álbum de Música Regional ou de Raizes Brasileiras.  

Governo do Estado lança Edital Nacional do FIG 2017

Artistas e grupos culturais de todo o país poderão participar do próximo Festival de Inverno de Garanhuns. Após convocar exclusivamente atrações nordestinas no ano passado, o Governo de Pernambuco, por meio da Secult-PE e da Fundarpe, lança o Edital Nacional do FIG 2017.
“É hora de retomarmos o intercâmbio com as diversas expressões formadoras da cultura brasileira, um marco histórico do festival”, comenta o Secretário Estadual de Cultura, Marcelino Granja.
Consolidado no calendário cultural pernambucano, o FIG 2017 acontecerá em julho, com atividades de fruição e formação em todas as linguagens artísticas e áreas culturais. Shows, cortejos, performances, intervenções, recitais, vivências criativas, espetáculos, desfiles, exposições, mostras, ações de gastronomia e patrimônio cultural, entre outras atividades podem ser sugeridas.
Para Márcia Souto, presidente da Fundarpe, “o festival é uma grande oportunidade de celebrarmos a riqueza cultural do povo brasileiro e promovermos ainda nossos grupos populares e artistas iniciantes”. Além de garantir os recursos necessários para a realização de mais um grande festival, o Governo do Estado aposta nesta edição na parceria com empresas e outras instituições privadas, por meio da captação de recursos via Lei Rouanet. A Prefeitura de Garanhuns também é parceira do evento.
Os interessados em enviar propostas de programação devem acessar o edital e os formulários específicos AQUI. O período de inscrições presenciais ou por Correios é de 29 de março a 17 de abril.
Todas as notícias oficiais sobre o festival serão primeiramente veiculadas em www.cultura.pe.gov.br/fig2017

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Xinelo Rasgado lança CD “Frevo, Forró e Folia”

Conhecido pela combinação de figurinos em seus shows, Wellington Francisco (sanfona e voz) e a Aurineide Cândida (vocalista) comandam o Forró Xinelo Rasgado, grupo criado em 2006 realiza apresentações públicas e particulares sempre com muita energia e interação com o público. 
A banda já soma em sua discografia três CDs e um DVD ao vivo gravado no Cabo de Santo Agostinho durante a festa junina da cidade. Já são 10 anos que a banda vem desenvolvendo um trabalho, resgatando a cultura nordestina em suas canções e para comemorar esta marca, foi lançado o CD “Frevo, Forró e Folia”.
Novo álbum gravado conta com 10 músicas de grandes mestres do frevo: Zé Ramalho, Capiba, Getúlio Cavalcante, Nelson Ferreira, Carlos Fernando, Marron Brasileiro, Nelson Ferreira, J. Michiles, Moacyr Franco, Clídio Nigro e Clóvis Vieira. A música “O Maior Tocador” de Luiz Gonzaga ganhou uma nova versão ao som do Frevo Sanfonado de Wellington com a participação de Luizinho de Serra.
Este novo trabalho já pode ser conferido gratuitamente, através do link http://www.suamusica.com.br/frevoforrofolia
Contatos para Shows: (81) 9.9763-3261 / 9.8757-6252